Sem categoria

Erodir para reconstruir

Erosão Diferencial reúne diversos trabalhos de um dos artistas contemporâneos mais importantes da cidade de Campinas, Marcelo Moscheta.

A relação do ser humano com a paisagem é o elemento que percorre por todos os seus trabalhos apresentados. A pedra é outro objeto que está sempre presente, como em Deslocando Territórios, em que o artista apropria-se das pedras localizadas na fronteira do Brasil com o Uruguai e as desenha numa placa de pvc preto colocando em pauta os limites e as fronteiras políticas das quais são inseridas na paisagem geográfica. Afinal, territórios sempre foram uma questão de embate, desde que nós ocidentais, tornamo-nos sedentários.

Em Propriedade essa discussão torna-se ainda mais evidente. Moscheta recolhe três mourões localizados em pontos extremos distintos e os recontextualizam para o espaço do museu colocando lado à lado. À esquerda desses mourões, encontram-se duas placas com diagramas diferentes: na primeira, indica um triângulo, ou seja, três pontos mínimos para que se demarque uma área, e na outra, três pontos enfileirados indicando uma linha.

Após encarar Propriedade, somos fisgados por uma última sala do MACC, onde encontra-se o Ateliê, e é nesse espaço que todas essas questões sobre territórios se potencializam.Propriedade, 2015. mourões de madeira retirados de propriedade privada, corrosão e gravação à laser sobre alumínio. 200 x 300 x 70 cm

Por mais que os trabalhos de Marcelo Moscheta encaminham um deslocamento da paisagem e das fronteiras geográficas, as discussões são trazidas para dentro da instituição, pra dentro de um território em que o próprio crítico de arte Douglas Crimp denomina em seu célebre livro “Sobre as ruínas do museu” como cemitério.

Portanto, o ateliê proposto pelo artista, surge como um dissenso da estrutura desse espaço, desse território institucional. Moscheta transfere todo seu local de trabalho para o MACC além de convidar artistas e estudantes para participarem de seu processo criativo.

É de se pensar em como as exposições estão se ampliando de um mero espaço expositivo para uma plataforma cultural nesses últimos anos, ao incluir ateliês, palestras, educativos, shows, saraus e filmes na sua programação. No ateliê da exposição, Moscheta convidou artistas, agentes da arte para conversar e oferecer oficinas gratuitas para o público. Já passou da hora, das instituições culturais e museus repensarem suas estruturas para uma maior democratização da arte, e são nesses gatilhos como colocado pelo artista que elas aparecem.

Erosão Diferencial é um termo da geologia que indica diferentes erosões no mesmo relevo através de um agente. Diante de uma crise política e econômica devemos reparar em quais estruturas estão erodindo e quais não estão. Talvez estejamos no momento de erodir o que está a muito tempo erguido e estabelecido. No caso de Campinas, erguer estruturas através das “ruínas do museu”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s